Como é calculado o valor do seguro?

O seguro automotivo se tornou item imprescindível para que tem um carro nos dias de hoje. Os altos índices de violência no trânsito, como os números de acidentes graves e mesmo as altas taxas de furtos e roubos, fizeram com o que os seguros sejam fundamentais para garantia de que os prejuízos em caso de emergências não serão exclusivos do dono do veículo, principalmente nos grandes centros urbanos.

Porém, em contraposição à necessidade de se ter um seguro automotivo estão os altos preços cobrados pelas seguradoras no Brasil, o que impede que muitas pessoas tenham condições de ter um seguro para o seu carro. Mas, como é feito esse cálculo? Porque os valores são tão altos?

Enfim, são diversos os fatores que influenciam no preço da apólice de seguro, como o tipo de cobertura que você pretende fechar, o modelo do seu carro, e até mesmo as características do motorista. Vamos mostrar agora alguns desses fatores, para que seja mais fácil ao menos entender como é calculado o valor de um seguro de automóvel.

Tipos de cobertura

Seguro Auto

São diversos os fatores que influenciam no valor do seguro.

Quando você contrata o seguro automóvel, você seleciona o capital segurado, tipos de cobertura e serviços. Ou seja, quanto maior for a cobertura que você desejar, maior será o valor a ser pago. Por exemplo, incluir no seguro danos contra terceiros aumentará o valor final.

Assim, quanto mais abrangente for o seguro de automóvel e mais sinistros, ou tipos de danos, ele indenizar, maior será o valor pago pelo segurado. Vale analisar quais os riscos mais prováveis em cada situação para não ir além e pagar por algo que dificilmente será utilizado.

Valor da franquia

É possível optar pela franquia reduzida, quando o custo de conserto pago pelo segurado em caso de acidentes é menor que o da franquia normal. No entanto, este serviço aumenta o preço final do seguro.

Tipo de carro

Determinados modelos de veículos são mais visados que outros em roubos, e isso também entra para a conta. Dentre os mais visados, os carros populares são a maioria, principalmente por serem muito numerosos no Brasil. Segundo ranking da CNseg de 2012, o automóvel com maior índice de roubos no país é o Volkswagen Gol, seguidos pelos modelos Uno e Palio, da Fiat.

Além disso, carros zero costumam ter seguros mais baratos do que carros mais velhos. Isso acontece porque os custos com peças novas e manutenção são menores para veículos novos, além de o risco de quebra ou problemas mecânicos ser maior em carros usados. Outro fator que leva a um custo mais elevado para carros usados é que estes veículos muitas vezes são alvo maiores de roubos, com objetivo de alimentar o mercado de peças recondicionadas.

Perfil do motorista

O motorista que irá usar o carro é outro fator que influencia no preço do seguro. Jovens com idade entre 18 e 24 anos, por exemplo, pagam mais, isso porque essa faixa etária é a com maior número de registros de sinistro.

Além disso, mulheres também costumam ter descontos, por elas serem responsáveis por menos acidentes no trânsito, em comparação com os homens. Segundo dados do Denatran, as mulheres são responsáveis por apenas 29% dos acidentes. Veículos utilizados por mais de um condutor é outro fator que com frequência também eleva o valor do seguro.

Geografia

Os índices de roubo de veículos da região onde mora e trabalha o motorista também interferem nesse valor. Por exemplo, os índices de roubos e furtos têm peso maior nas grandes metrópoles, como São Paulo e Rio de Janeiro. Já o risco de colisão pesa mais na hora do cálculo para regiões fora dos grandes centros urbanos, onde o risco de um assalto é consideravelmente menor.

Garagem

O local onde você estaciona o carro também influencia nesta equação. Deixar o carro estacionado em garagens, tanto em casa como no trabalho, ajuda a reduzir o valor do seguro. Não estacionar rotineiramente o carro na rua pode ocasionar em uma redução média de 4% a 6% no preço.

Dispositivos de segurança

O uso de dispositivos de segurança antifurto avançados, como rastreadores via satélite, pode representar um abatimento de até 25% do valor final. Já o uso de dispositivos mais tradicionais, como alarmes e travas, não interferem no preço cobrado pelas seguradoras, porque não ajudam a localizar o veículo em caso de roubo.

Todos estes fatores acima citados são os principais que influenciam no preço do seu seguro. A grande dica é pesquisar bastante, fazendo cotações com diversos corretores e seguradoras, vendo também qual o tipo de cobertura e as condições que mais se enquadram com a sua necessidade.

Deixe sua mensagem

Your email address will not be published. Required fields are marked *