Quais são os sintomas de defeito e como trocar a bobina de ignição?

Os veículos possuem diversas peças que, por menor que sejam, representam grande importância no funcionamento do todo. A bobina de ignição é uma destas peças que, caso apresente um defeito, acarreta grandes problemas. Sua função é de transformar a tensão que provém o rolamento primário em alta tensão para o rolamento secundário do motor. Esta alta tensão é necessária para que haja a formação de centelhas nas velas, que acarretam a combustão e ocasiona o funcionamento do veículo.

A bobina de ignição dura cerca de 200 mil quilômetros, porém este parâmetro pode ser reduzido dependendo de como o veículo é utilizado, se existem situações adversas ou houve algum problema na velas, cabo de supressão e alternadores. Por isso é muito importante que o consumidor esteja atento ao funcionamento do veículo e o leve para realizar revisões, prevenindo tais problemas. Quando se deve trocar a bobina de ignição? Como é feita esta troca? Todas estas dúvidas serão retiradas neste post.

Como funciona a bobina?

Para entendermos os sintomas de defeito na bobina, devemos primeiro compreender como ela funciona. Geralmente, as bobinas de ignição, em sua composição, possuem um sistema que é divido em duas partes. A primeira é denominada de bobina primária, possuindo menos enrolamentos do que a segunda.

A segunda bobina então, é denominada bobina secundária. Esta, possui a corrente que vai da bateria para a bobina primária, de forma a criar assim, um campo magnético na secundária que, por sua vez, possui mais enrolamentos que a primária, tendo uma tensão maior. Neste processo, tem a capacidade de transformar a tensão baixa de bateria em alta tensão, sendo necessária para a formação da centelha.

A bobina funciona segundo princípios de fenômenos eletromagnéticos. A estrutura tem uma peça que se chama platinado. Quando ela está aberta, não circula corrente. Quando é fechado, começa a corrente da carga que gera o campo magnético. Quando se abre novamente o platinado, a corrente para, mas não repentinamente, o que causa a alta carga para o secundário.

Quais são os principais sintomas de defeito na bobina de ignição?

Bobina de ignição plástica

O sinal principal que uma bobina pode mostrar de que está defeituosa em termos mecânicos, é quando ela não consegue distribuir corrente às velas de maneira adequada. Assim, o motor não irá ligar ou haverá falhas no momento de liga-lo.

Além disso, o carro poderá apresentar outros sintomas, como tiros no escapamento, pois, como o veículo não está utilizando o combustível corretamente, este é eliminado de forma irregular no escapamento, provocando estouros e fumaça preta. Pode ser notado um aumento no consumo do combustível, já que este está sendo utilizado de maneira inadequada.

O motorista costuma sentir o motor engasgado ou no momento da partida, ou quando o carro pega determinadas velocidades. A vibração também é um dos sintomas, principalmente em pequenas paradas, como cruzamentos ou semáforos.

É possível testar uma bobina de maneira simples e em casa levando em consideração o que o manual do carro diz. Para que o motorista consiga testar uma bobina ele deve realizar os alguns procedimentos. Primeiramente, é preciso que ele desconecte a bateria, para que depois, logo em seguida ele consiga remover a bobina .

Cada carro possui um manual de serviço dedicado à marca e modelo de veículo que possui determinações específicas em relação ao teste e resultados. Basta que o motorista encoste as pontas de um multímetro nos pinos pequenos do lado externo da bobina. Daí é só analisar, caso a leitura estiver de acordo com o manual, a bobina primária estará em bom funcionamento.

Para que o motorista possa testar a bobina secundária, é preciso que ele mantenha uma das pontas do multímetro no pino que fornece 12 volts e encoste a outra no pino maior que fica no meio da bobina. No final é preciso que ele compare os resultados com os do manual de seu veículo.

Como trocar a bobina de ignição?

Caso seja constatado defeito, para que o motorista consiga inserir uma nova bobina em seu veículo é preciso que ele tenha desligado a bateria. Logo em seguida é preciso que ele retire a bobina defeituosa e parafuse a nova bobina no lugar dela. Também é preciso que ele faça a substituição dos cabos de ignição primários.

Em seguida, o motorista deve inserir uma porção de graxa à base do conector da bobina antes de ligá-lo. Realizadas estas etapas, não se deve esquecer de religar as baterias e testar seu funcionamento. É imprescindível que o indivíduo leia com atenção o manual do consumidor e realize todas as etapas da troca com muito cuidado e atenção. Quaisquer erros podem acarretar em consequências no funcionamento do veículo.

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *