Como Funciona a Retífica de Motores? Gasolina, Álcool, Diesel

Os motores de combustão interna, que funcionam a álcool, gasolina ou diesel, possuem diversas peças e processos para que este processo final ocorra, promovendo o funcionamento do veículo. Estes componentes, desgastam com o tempo, devido ao atrito e altas temperaturas a que são submetidos. Desta forma, o carro passa a apresentar baixa potência, excesso de consumo de combustível, superaquecimento, barulhos incomuns, dentre outros problemas.

Quando estes problemas começam a ocorrer, é preciso realizar a retífica do motor, um procedimento em que o mecânico desmonta o motor e realiza a análise de todas as peças. Com isto, os profissionais podem ver quais componentes precisam ser trocados, devido à desgastes, trincas e folgas, e quais podem ser reutilizados. Abaixo, confira mais acerca da retífica do motor e como ela funciona.

Retífica do motor

Para que um veículo funcione corretamente, é necessário que todas as suas peças estejam em perfeito estado. Porém, como os componentes sempre estão se chocando uns aos outros e trabalhando em altas velocidades, eles podem superaquecer, romper ou mesmo ter trincas. E, isto ocasiona certos problemas para os veículos, como um alto consumo de combustível e lubrificante, baixa potência, etc.

Quando tais questões começam a ficar muito aparente nos veículos, é necessário realizar um retífica. Geralmente, isto é feito quando o veículo possui mais de 200 mil quilômetros rodados.

Neste processo, como mencionado, o mecânico irá desmontar o motor inteiro, para que ele possa analisar as peças e determinar quais estão em bom estado e quais necessitam de ter substituídas. Além disso, na retífica, o profissional também elimina possíveis folas, resíduos e realiza uma remontagem perfeita.

Saiba como funciona a retífica do motor.

A retífica do motor é realizada por profissionais adequados, que desmontam o motor e analisam todas as peças.

Ademais, a retífica também pode ser ocasionada por um problema mais imediato, como o rompimento da correia dentada, falta de óleo, dentre outras questões que configuram a falta de manutenção adequada.

Este processo de retífica pode ser feito apenas na parte de baixo do motor, onde estão os cilindros, pistões, bielas e virabrequim. Ou então, apenas na parte de cima, no cabeçote, válvulas e guias.

Como saber se a retífica foi bem sucedida?

Muitas pessoas podem não entender sobre a retífica e deixá-la apenas por conta do mecânico. Porém, como saber se ela foi realizada corretamente? Felizmente, mesmo os leigos em mecânica podem se certificar de que a retífica está sendo bem feita, seguindo alguns métodos.

Quando o seu veículo for entregue, preste atenção em alguns sinais que podem significar de que o processo foi mal feito ou ainda tem falhas. Basicamente, um motor retificado necessita estar no mesmo estado do que um motor novo. Ou seja, não deve apresentar quaisquer problemas, barulhos ou aspectos diferentes aos originais.

Após a retífica, sempre mantenha água e óleo dentro do adequado, e também não tente acelerar o veículo enquanto ele estiver frio. Observe se está saindo fumaça preta do escapamento, pois isto é um sinal de que as folgas não foram eliminadas ou que foi feito um ajuste excessivo no pistão ou nas válvulas. Caso a fumaça esteja branca, pode significar que está entrando água no motor.

É importante se atentar para os níveis de água e óleo do motor, para certificar de que eles não estão diminuindo rapidamente. Como este é um sinal de mau funcionamento do motor e necessidade de retífica, significa que o processo não foi realizado corretamente.

Ademais, o sinal mais fácil de ser detectado que indica uma retífica mal feita, é a ocorrência de barulhos estranhos incomuns vindos do motor. Eles podem ser como rangidos, indicando que as peças de metal estão roçando umas nas outras, ou de choque.

Como evitar uma retífica?

As retíficas de veículos de combustão interna, que utilizam álcool, gasolina ou diesel, são custosas. Por isto, é recomendado evitá-las, realizando prevenções e manutenções periodicamente. Também, é necessário adotar alguns hábitos saudáveis para o veículo, como não abusar da rotação e acelerar desnecessariamente.

Uma ótima prática para manter o bom estado das peças é dirigir o veículo suavemente, evitando freadas e acelerações bruscas. Assim, o desgaste das peças são diminuídos de forma considerável. Ademais, a direção consciente, sem realizar manobras e “costuras” pelo trânsito, proporcionam a economia de combustível.

Também, sempre verifique o nível de óleo, água e se há vazamentos no motor. Os vazamentos podem ocasionar problemas na vedação do veículo, falhas em outras peças, etc.

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *