Seguro Automotivo: Cooperativa é melhor que Seguradora?

Os altos índices de violência no trânsito das grandes cidades brasileiras, que está cada vez mais caótico, fez com que o seguro automotivo tenha crescido muito em importância no últimos anos, sendo este um item imprescindível para quem deseja alguma garantia em caso de danos ou emergência com o seu carro.

Porém, o preço médio das apólices nas seguradoras tradicionais ainda é muito alto, o que acaba impossibilitando muitas pessoas de encaixar esse gasto adicional em sua despesa pessoal. E foi exatamente neste contexto que surgiram as cooperativas de de seguros, muito impulsionadas pela internet e por uma busca de alternativas aos preços cobrados pelas seguradoras, considerados por muitos abusivos. Em alguns casos, as despesas com as cooperativas chegam a ser até 70% mais baratas do que as cobradas pelas operadoras tradicionais.

O que são as Cooperativas?

seguro automotivo

O Seguro Automotivo é importante para a garantia de proteção do seu bem.

Primeiramente, é importante ter em mente como funcionam essas cooperativas, para então comparar os seus serviços com os oferecidos pelas operadoras tradicionais de seguro, e chegar assim às vantagens e desvantagens de cada.

As cooperativas são associações sem fins lucrativos, formadas por pessoas, que se juntam com a finalidade de procurar proteção para os seus veículos. O serviço costuma ser comumente chamado de “proteção veicular”.

Nesse sistema, ao invés de contarem com a proteção de um intermediário financeiro (no caso, as seguradoras), esses grupos de pessoas associam-se e contratam, entre si, a reposição dos bens eventualmente perdidos. Desta forma, cada membro de uma cooperativa paga uma mensalidade, com o objetivo de proteger o seu veículo. Em caso de dano ao veículo, seja parcial ou total, as despesas para a reposição do bem perdido são dividas igualmente entre os associados. Esse custo é baseado no valor do veículo.

Sendo assim, o sistema é baseado no ressarcimento de um dano que já aconteceu, diferente do seguro comum, em que o usuário paga para cobrir possíveis danos futuros.

Quais as diferenças?

Como já dito, a principal diferença entre as cooperativas e as seguradoras tradicionais, além do preço, é em relação ao modo de funcionamento de cada um dos modelos de seguro.

Nas operadoras convencionais, resumidamente, um contrato é fechado, com um valor a ser pago pela apólice. Neste esquema, a pessoa paga o valor para cobrir possíveis danos futuros. Assim, em caso de sinistro, a operadora paga o valor do modelo do veículo de acordo com a tabela da Fipe, no mês em que o pagamento é aprovado.

Já nas cooperativas, como já explicado, os custos de reparação ou reposição do veículo são divididos entre os associados, sendo assim, os membros pagam por um dano que já aconteceu. Isso acaba refletindo em custos muito menores para os usuários desse sistema, em relação às operadoras tradicionais.

Mas não fica apenas nisso. Outra diferença é que as seguradoras convencionais são reguladas pelo Sistema Nacional de Seguros, formado pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) e pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP). As cooperativas não têm essa regulação.

As seguradoras e corretores de seguro têm todo seu funcionamento (vendas, indenização, assistência 24 horas, e etc.) altamente regulado, com os seus serviços tendo que seguir regras específicas para funcionar. Como as cooperativas não são reguladas, não há órgãos oficiais que supervisionem seu funcionamento, assim como não há normas e regras oficiais para seu funcionamento.

Ou seja, se você tiver problemas ou reclamações no caso das cooperativas, não terá um órgão específico ao qual recorrer. No caso de seguradoras regulares, problemas mais sérios, como fraude, podem ser levados à SUSEP, gerando portanto uma maior garantia ao consumidor.

Além disso, as seguradoras são obrigadas por lei a manter um grande fundo de reserva, que garanta a indenização ao cliente. Nas cooperativas, esse fundo de reserva depende da quantidade de associados, sendo limitados pela demanda.

Vantagens e Riscos

Para concluir, fica claro que as cooperativas são uma alternativa às seguradoras, principalmente no que diz respeito ao preço, já que são muito mais baratas, e consequentemente muito mais acessíveis. Entretanto, esse serviço não é regulado por nenhum órgão oficial, o que pode significar maior insegurança.

O importante, portanto, é analisar muito bem o contrato antes de fechar com cooperativas, e checar se você realmente está entrando em um negócio seguro, que de fato garantirá a reposição dos seus prejuízos. Tenha sempre em mente que o barato pode sair caro, e se estiver interessado em mais segurança, opte pelas seguradoras tradicionais.

Deixe sua mensagem

Your email address will not be published. Required fields are marked *